Os rituais de Goécia podem ser realizados de diversas formas, tanto em termos do referencial em relação ao qual as entidades serão direcionadas, quanto em termos do ritual, e mesmo do arcabouço de símbolos utilizado.

Evocação e invocação

Os dos tipos básicos de referencial utilizados para direcionamento das entidades são:

  1. Evocação
  2. Invocação

A palavra “evocar” deriva diretamente da expressão “chamar para fora”. Na evocação, as entidades (sejam elas Anjos, Daemons, ou outras) são direcionadas para o lado externo da mente do magista. Entende-se a evocação como uma conclamação a aparecer à frente do magista, em um triângulo, ou em um instrumento de Skrying como uma bola de cristal ou espelho, para que o diálogo se dê de forma direta e explícita.

Muitas vezes, os Daemons tomam formas visualmente detectáveis, ou se apresentam por meio de sinais, como variações na luminosidade ou na fumaça de velas e incensos, emitindo sons ou emanando aromas. As aparências adotadas podem ser aquelas descritas nos grimórios, ou variações das mesmas, dependendo do arcabouço simbólico do magista.

Já a palavra “invocar” significa “chamar para dentro”. Na invocação, as entidades são conclamadas mentalmente, e se apresentam como visões durante uma meditação de olhos fechados, ou mesmo durante sonhos ou momentos de transe.

A invocação permite ao magista utilizar as qualidades atribuídas aos daemons, obter os conhecimentos ensinados por eles, ou mesmo decidir por quais caminhos seguir, por meio de conselhos. Neste caso, os rituais podem ser mais simplificados, ou mesmo complexos, dependendo do paradigma utilizado, e as aparências adotadas pelos Daemons também podem variar.

Paradigmas Goéticos

Os rituais em si podem seguir três tipos gerais de paradigma:

  1. Goécia Tradicional
  2. Goécia de Mão Esquerda
  3. Goécia Arquetípica

Tradicional ou Salomônica

Na Goécia Tradicional ou Goécia Salomônica, o tipo mais ortodoxo e milenar de prática goética, os rituais utilizam os poderes de forças de concentração, manutenção e controle (ditos de mão direita, ou popularmente “magia branca”), e que prezam pela ordem divina, para impelir os Daemons a realizarem os pedidos. Geralmente, são mencionados nomes de Deus, Arcanjos e Anjos, que irão imbuir o magista de autoridade para que os Daemons realizem suas intenções.

Este tipo de paradigma foi usado por homens da Igreja, como pode ser verificado nos grimórios de vários clérigos, e também é o descrito na maioria das versões do Lemegeton, assim como no Testamento de Salomão. Entende-se, neste caso, que os Daemons são instrumentos para a Providência Divina, e que o magista age de acordo com a ordem e o destino, apenas utilizando estas ferramentas, com o aval de forças superiores e benéficas.

Qliphótica, Satanista e Luciferiana

No caso da Goécia “de Mão Esquerda”, que possui diversas ramificações como a Goécia Qliphótica, a Goécia Satanista e a Goécia Luciferiana, os rituais recorrem a forças de evolução, dispersão e individualidade (ditas de mão esquerda, ou popularmente “magia negra”) para obter transcendência individual, e suas intenções, por meio de conversas e barganhas com os Daemons. A autoridade do magista, neste caso, é interna, e seu nível vibracional é baixado até níveis compatíveis com os Daemons, para que a comunicação ocorra de forma mais próxima.

Caso haja menção a outras divindades superiores, são geralmente as de dispersão, como Lúcifer, Samael e Lilith. Entende-se, neste caso, que os Daemons são entidades que auxiliam na jornada individual para se tornar um Deus, e que eles agem em consonância com a própria Vontade do magista.

Arquetípica

Já na Goécia Arquetípica, o magista leva em conta os arquétipos utilizados na ritualística, e dos Daemons em si. Geralmente é realizada por meio de meditação, e com rituais mais simples, utilizando símbolos de vários outros sistemas mágicos, desde que relacionados ao objetivo desejado.

Os animais e elementos que fazem parte da manifestação de cada Daemon, por exemplo, podem ser entendidos como características psicológicas que se deseja atrair ou repelir, e a comunicação pode se dar de forma verbal, ou apenas mentalização. Meditações e estudos pela vertente arquetípica podem auxiliar também nos tipos mais ritualísticos da Goécia, estudando-se e compreendendo-se as energias de cada Daemon antes da evocação.

Ritualística

Quanto aos detalhes da ritualística em si, também pode haver variações dependendo do grimório utilizado, das preferências da ordem mágica à qual o magista faz parte, ou mesmo das adaptações e dos aprimoramentos acrescentados por cada praticante. Porém, de forma geral, os elementos principais da ritualística se mantêm.

Os elementos geralmente utilizados são um círculo ou ambiente delimitado, onde ocorrerá o ritual, objetos que representam os quatro elementos – terra, água, fogo e ar (geralmente moedas, cálice, bastão e adaga), incensos e velas para aprimorar a conexão espiritual, além de banimentos e/ou ritualísticas de abertura, diálogo, e fechamento.

Ritual de Goécia na prática

A versão mais conhecida dos rituais da Goécia é a descrita por Mathers, derivada diretamente da magia descrita no Lemegeton e atribuída ao Rei Salomão.

Além do ritual descrito por Mathers, há outras vertentes ligadas ao Lemegeton que acrescentam ou modificam alguns elementos da cerimônia.

A Goécia do Dr. Rudd, por exemplo, indica que os Selos dos Anjos correspondentes (que também são 72) sejam desenhados na parte de trás dos selos dos Daemons.

Já no Grimorium Verum, os espíritos descritos são diferentes dos 72 de Mathers, sendo que o ritual, ligeiramente diferente, pode ser utilizado também para evocação dos 72 Daemons. Já no caminho da mão esquerda, Ford apresenta, em seu livro, uma descrição dos rituais de Goécia Luciferiana, e Karlsson apresenta rituais ligados às Qliphoth, desenvolvidos pela ordem Dragon Rouge.