O Projeto

Estudo sobre os daemons

Percebe-se claramente que os 72 daemons das Clavículas de Salomão foram inspirados em entidades cultuadas por outras culturas, dominadas e relegadas ao esquecimento pelo cristianismo após séculos de embates tanto físicos quanto intelectuais. Estas entidades, algumas mesmo mantendo o nome original, foram demonizadas e descritas como espíritos infernais, uma vez que todo o poder verdadeiro só poderia provir de um Deus, o Deus cristão.

Além disso, com a lacuna de correspondências deixada por estas entidades, foram criados 72 anjos (Shemhamphorash), baseados em combinações de três caracteres hebraicos ou sílabas dos versículos 19, 20 e 21 de Êxodo, 14. Estes versículos descrevem a fuga de Moisés e seus seguidores do Egito, passando pelo Mar Vermelho, e possuem 72 sílabas cada. Pode ser percebido que estes anjos englobaram, de forma geral, as características dos daemons correspondentes.

Como o cristianismo prega a existência de um Deus único, os anjos são descritos como vários nomes e manifestações deste mesmo Deus, em contraposição à independência das entidades anteriores. É importante ressaltar que esta independência foi apenas suposta pelos religiosos e historiadores antigos, mas hoje sabe-se por exemplo que os “Deuses” do Egito, os Néteres, eram também manifestações de um mesmo Deus, e sua cultura era mais próxima do monoteísmo do que do politeísmo.

Sendo assim, este projeto tem como objetivo estudar detalhadamente cada um dos 72 daemons descritos nas clavículas de Salomão, traçando considerações numerológicas, cabalísticas, astrológicas e etimológicas sobre os mesmos, em seguida avaliando de que forma os anjos correspondentes a cada daemon herdaram suas características gerais, e quais as entidades de diversas culturas que podem estar relacionadas aos daemons – sendo citados também elementos da cultura popular contemporânea que têm relação com os tópicos avaliados.

Cabe ressaltar que diversas entidades podem estar relacionadas a um mesmo daemon, assim como mais de um daemon pode estar relacionado a uma entidade. De qualquer forma, as entidades serão descritas em relação ao daemon que possui uma relação mais direta com as mesmas. Há várias descrições possíveis para cada entidade, além de várias versões de sua mitologia – em alguns casos, os poderes atribuídos a cada entidade se modificam no curso do tempo, fazendo com que ganhem novas características por associação, ou mesmo por oposição (uma forma disso acontecer é derrotar um oponente e absorver suas qualidades).

Portanto, serão descritas as características de cada entidade que possuírem maior correspondência com os aspectos de cada daemon, não pretendendo este projeto se tornar um tratado completo sobre cada entidade específica citada.

Finalmente, ressalta-se que algumas das análises traçadas foram elaboradas por associação, e não se tratam da única conclusão possível daquele aspecto. Mas entendemos que isto não fere de forma alguma o teor das considerações traçadas, afinal, se nossa realidade é apenas a representação de um Cosmos muito mais complexo e disforme, e se tudo é caos, qualquer associação é possível, desde que devidamente embasada com aspectos históricos ou analogias ocultas.