Magia

Goetia

A magia pode ser entendida de diversas formas, segundo várias linguagens e sistemas simbólicos. De forma geral, consiste em se realizar transformações por meio da intenção, embora os métodos para que isso ocorra possam ser os mais gerais possíveis. Dessa forma, é difícil encontrar um limite a partir do qual um evento pode ser considerado magia. A eletricidade, por exemplo, não era completamente entendida até o século XVII, e os raios e trovões eram compreendidos como poderes dos deuses. Seria a magia apenas um encadeamento de eventos que ainda não pode ser explicado cientificamente?

Diferentes interpretações

É necessário ter consciência de que eventos a nível mental possuem tanta substância quanto eventos que ocorrem de forma material. Uma pessoa pode ter morte cerebral resultante apenas de um encadeamento de pensamentos, e os métodos de hipnose comprovam que é possível estimular o cérebro para os mais variados fins.

Qualquer estímulo sensorial gera mudanças no cérebro, palavras podem modificar emoções, e aromas podem trazer à tona lembranças há muito esquecidas.

Neste contexto, os daemons da goécia podem ser compreendidos de diversas formas. Alguns consideram que são entidades dotadas de consciência e livre-arbítrio, enquanto outros consideram que são vibrações e frequências fluindo pelo espaço-tempo ou éter.

Podem também ser definidos como imagens arquetípicas, ou modos de atividade cerebral. De qualquer forma, estas energias podem ser compreendidas e utilizadas para alcançar os desejados fins.

Entidades e energias

Como entidades, os daemons podem ser evocados e se apresentam à frente do magista, dentro dos círculos de magia, ou então se manifestam na forma de sinais ao seu redor.

O magista então conversa com estes seres, solicitando o que desejar. Porém, se os daemons forem compreendidos como entidades dotadas de livre arbítrio, o magista terá necessidade de compelir cada um dos seres, se protegendo das mais variadas formas e correndo o risco de ser ludibriado.

Este tipo de manifestação é útil para magistas que possuem maior necessidade de confirmação visual (ver para crer), e são mais ligadas aos aspectos do mundo material. Consequentemente, o ritual de evocação acaba por ser muito mais complexo, necessitando de vários estímulos que fazem o magista entrar em um estado de concentração cada vez maior.

Imagens arquetípicas

Assim como as arcanas do tarot, os daemons são imagens possíveis de determinados aspectos gerais. Estes arquétipos, pertencentes ao caos ou ao mundo das ideias, são tão complexos que não podem ser explicados por meio de palavras ou imagens. Sendo assim, quando tentamos fazê-lo só conseguimos explicar uma de suas facetas de cada vez, e estas tomam formas definidas como os daemons.

Vários daemons podem representar diferentes imagens do mesmo arquétipo (por exemplo, Agares e Vassago, ambos de mesma natureza). Utilizando este ponto de vista, os daemons podem servir como sistema divinatório (sorteando-se um deles), ou mesmo como inspiração para meditações.

Pode-se analisar o que cada animal representaria, entre outros aspectos semióticos. Neste caso, os rituais são simples como qualquer meditação, podendo ser auxiliados por aromas, sons, ou desenho de selos caso o magista assim deseje. Geralmente são usados elementos auxiliares que possuam relação com a energia a ser trabalhada.

Modos de atividade cerebral

Os daemons também podem ser entendidos como modos de atividade cerebral a serem alcançados pelo magista. A Alquimia, que consiste em manipular os pensamentos por meio da intenção, pode ser usada para fazer o cérebro funcionar de determinada forma, liberando potencial até então não utilizado (os 90% do cérebro que não usamos conscientemente).

Neste caso, o magista pode concentrar-se para aprender melhor um novo idioma, direcionar o foco para analisar situações e recuperar informações de seu inconsciente (“ver o passado”), ou rastrear mentalmente as consequências de cada evento para inferir situações que estão por vir (“ver o futuro”). A ativação pode ser realizada por qualquer método.

Independente da forma de utilização escolhida pelo magista, compreender as energias e verificar analogias com outros deuses pode auxiliar na escolha da energia correta para cada finalidade, além de reduzir o risco de uma operação dar errado devido ao medo inconsciente. No sentido psicológico, casos de possessão podem estar ligados a histeria, e a perseguição por demônios pode ser entendida como paranoia. Ambas as consequências são indissociáveis de uma possessão ou perseguição “reais”, e igualmente perigosas.