ornamento de mandala

Amon

Amun, Ammom, Amon-Rá

Territórios

Amon é um marquês que comanda 40 legiões. Aparece na forma de um lobo com cauda de serpente, vomitando labaredas de fogo, ou então como um belo homem, alto e louro acompanhado por um falcão. Pode também aparecer como um homem com dentes de cão e cabeça de ave de rapina. Possui o poder de conceder feudos, mostrar coisas passadas e futuras e reconciliar amizades.

Análise

O Daemon Amon tem grande similaridade com o Amon egípcio, por seu caráter geral de realeza, relacionado a conceder terras, e de divindade que tudo vê, conhecendo o passado e o futuro. Porém, sua aparência nos grimórios tradicionais é bem diferente das manifestações do deus, que pode adotar a forma de um carneiro, raramente aparecendo como um ganso, ou ainda como um falcão, em sua forma Amon-Rá. Neste caso, a associação a Baal-Hammon também é pertinente, uma vez que este pode ser representado como um ancião com chifres de carneiro.

A capacidade de conceder Terras permite tanto a manifestação de obras no plano físico (principalmente aquelas ligadas à agricultura ou arquitetura) quanto o comando sobre uma sociedade ou população, ambos sendo aspectos de Amon e Rá, e também dos planetas Terra e Júpiter, respectivamente. O Sol, representando seu aspecto de realeza, está presente de forma indireta em sua manifestação devido às labaredas que saem de sua boca.

O Anjo Achaiah, relacionado ao daemon Amon, representa o Deus paciente e misericordioso, e rege os segredos da natureza, também ajudando a alcançar feitos grandiosos. Estas características estão de acordo com os atributos de Amon, uma vez que as Terras (do Alto e do Baixo Egito, no caso do deus) eram utilizadas para construir templos, cidades e plantações. A reconciliação de amizades trazida pelo daemon Amon é outro atributo diretamente ligado à misericórdia e ao perdão de Achaiah, na figura do Deus Paciente.

Selo de Amon

círculo de goécia salomônica