Bibliografia

Livros sobre Goetia e ocultismo

Promoção!

A Chave Menor de Salomão

Esta chave atribuída a Salomão diz respeito a pentáculos planetários, espíritos que regem as horas do dia, e magias para conquistar o amor, descobrir roubos, e outros aspectos práticos. São descritos rituais e métodos que seguem as mesmas diretrizes da magia Salomônica, incluindo um detalhamento dos materiais e dos selos que podem ser usados para cada finalidade. O material apresentado corresponde, no Lemegeton, aos livros Ars Paulina e Ars Notoria.

Categoria Tag:

R$54,00 R$34,90

Comprar livro na Saraiva

O mais célebre e influente livro de ocultismo da história ganha uma luxuosa edição brasileira, revista e atualizada. A Clavícula de Salomão traz ensinamentos sobre magia cerimonial, com o auxílio de pentáculos, caracteres e sigilos mágicos, e é referência fundamental para estudiosos da cabala e da astrologia.

A edição que o selo Chave lança agora no Brasil é a primeira traduzida diretamente da obra compilada por Samuel Lidell Mathers, um dos maiores estudiosos do assunto. Cofundador da Ordem Hermética da Aurora Dourada, organização originada na Inglaterra que teve entre seus membros o poeta irlandês William Butler Yeats e Aleister Crowley, Mathers organizou e traduziu para o inglês esta versão da obra, a partir de manuscritos em diversos idiomas da Biblioteca Britânica.

Clavículas de Salomão

Embora “Clavícula” signifique apenas “chave pequena”, ou “chave menor”, os nomes dos livros que falam sobre uma ou mais destas partes são os mais variados possíveis. Por vezes, chama-se “Clavícula” ou “Chave maior” o compilado de métodos para obter objetivos mundanos, assim como a descrição dos materiais, porém sem envolver a evocação de Daemons. Em outros casos, os nomes “Clavícula” ou “Chave menor” são utilizados para se referir à Ars Goetia, contendo a descrição dos 72 daemons. Porém, na maioria dos casos, “Clavícula” é o nome utilizado para se referir a um dos cinco livros do Lemegeton, o Ars Notoria.

O Lemegeton

“Lemegeton” foi o nome dado, provavelmente por volta dos anos 1650, ao conjunto de grimórios Salomônicos que compreende conhecimentos acerca das práticas mágicas utilizando os mais variados elementos, como anjos, demônios e forças planetárias.

Estes livros, ou seu conjunto, são citados em várias obras durante a história do ocultismo, e datam de épocas muito remotas, tendo sido recuperados totalmente ou em parte a partir de diversos manuscritos. As versões mais atuais foram recuperadas pela Aurora Dourada e seus membros, que também realizaram aprimoramentos dos métodos e experimentos quanto a seu conteúdo.