Êxodo 14:19-21:

“E o anjo de Deus, que ia diante do exército de Israel, se retirou, e ia atrás deles; também a coluna de nuvem se retirou de diante deles, e se pôs atrás deles. E ia entre o campo dos egípcios e o campo de Israel; e a nuvem era trevas para aqueles, e para estes clareava a noite; de maneira que em toda a noite não se aproximou um do outro. Então Moisés estendeu a sua mão sobre o mar, e o Senhor fez retirar o mar por um forte vento oriental toda aquela noite; e o mar tornou-se em seco, e as águas foram partidas”.

Estes três versos narram o momento mais importante da fuga de Moisés e seus seguidores através do Mar Vermelho, que só foi possível mediante o apoio do poder de Deus, livrando os homens justos de seus inimigos. Porém, o trecho é mais do que isso. Cada um destes versos possui 72 sílabas na versão hebraica da bíblia, e selecionando-se uma de cada verso é possível obter os 72 nomes correspondentes aos anjos que comandam os daemons da Goécia, também chamados espíritos benignos ou Shemhamphorash.

Cada um dos Shemhamphorash de número “N” tem seu nome formado pela sílaba “N” do versículo 19, a sílaba “73 – N” do versículo 20, e a sílaba “N” do versículo 21. Dentre os anjos, que também podem ser entendidos como nomes de Deus, podem ser citados Lehahiah, Chevakiah, Menadel, Aniel e Haamiah.

Os Shemhamphorash possuem graus zodiacais e signos associados a si, e de forma geral estão sob a hierarquia de algum arcanjo ou fazem parte de algum coro maior. A partir dos 12 nomes de Deus, que são formados por conjuntos de 3 dentre as 4 sílabas do Tetragrammaton, também é possível chegar em seus 72 nomes, apenas realizando-se aliterações internas. Assim, cada grupo de 6 anjos estaria contido em um dos 12 nomes “principais” de Deus.

Referências: Skinner e Rankine – Dr Rudd’s Goetia; The 72 names of the Shemhamphorash – Burkle, William S.
Imagem: Phillip Medhurst – Êxodo.